29 de mar de 2010

Vai perdendo...

A gente perde tempo demais remoendo coisas
E tempo de menos vivendo...

16 de mar de 2010

Daquilo que não se vê

Não tenho muito o que dizer
Quem deveria dizer não disse
Tudo foram flores, flores de plástico
Assim como as frases
Frases plastificadas
E muito, mas muito mascaradas
Acreditei, apostei, confiei
Dei um crédito
Dei uma possibilidade ao vento
Mas na verdade quem sente sou eu, eu faço isto e não todos
Me igualei à maioria e esqueci que não faço parte dela
Não sou todos
Coisa que não significa tanto para muitos
Mas que eu sei bem o que é
Tem coisas nesta vida que ficam guardadas e outras que necessitam de borracha
Apagarei os erros, tantos
E guardarei os textos, muitos
Reconhecerei no ato, no próximo ato de qualquer ensaio todos os textos e não aceitarei mais migalhas
Não aceitarei mais desculpas, não aceitarei mais propostas, cenas...
Não aceitarei mais o pouco como muito.
Aceitarei muito pouco de todo mundo

7 de mar de 2010

Círculos

É tanta coisa que eu preciso dizer, que nem sei ao certo por onde começar
Porque o começo também foi atropelado por um monte de palavras que hoje, agora, talvez não façam mais sentido
E este sentido todo talvez tenha que ser mudado
E mudar significa parar o que fizemos até agora e fazer algo diferente dentro da mesma situação ou não
Não sei exatamente
Só sei que preciso falar
E falar é soltar todas as agonias do meu estômago, toda a insônia da noite e toda a cara embrulhada do dia que percorre este momento
Como dizem, a vida é feita de momentos e foi num destes momentos que dei de cara com você
E naquele dia eu sabia exatamente o que esperar de você, nada!
Nada daquilo que eu via me deixava segura, mas pelo fato de eu querer apenas aventura, tudo parecia normal
E o normal acabou se tornando tão perfeitinho que eu não quis mais sair de lá
Lá virou meu habitat
Aquele lugar que sentimos a rotina, o cheirinho da casa e todos seus espacinhos
Entrava naquele espaço especial e construía todas as minhas vontades e desejos
Este espaço agora luta para sair da prisão que se tornou, mas não sabe a quem recorrer
E por isto fico dando voltas...

4 de mar de 2010

Fora de moda

Não são as cores
Nem a disposição das bolinhas
Não é o modelo
E nem se combinou comigo
Não é a opinião alheia
E nem a falta de opinião
Ela combinou comigo
Mas combinou com você também
E por isto me incomoda
Ela é aquela dor que dói tanto que você não sabe que nome dar
Ela é aquele monte de palavras que não saíram do papel
Que estão entaladas naquela folha
Ela é pisada em cima da ferida
Ela é você
E ser você me faz tão bem, que acaba me fazendo mal
Ela, somos nós!
E nós não existimos mais...
Nós fomos o que agora não somos
E por isto ela também não deveria existir mais
Ela é aquela reticências que você deixou quando sumiu
Ela é apenas um tecido colorido
E você é apenas meu coração remoído!

  © Blogger template Werd by Ourblogtemplates.com 2009

Back to TOP